leia mais
clique aqui e visite nossa Fan Page
Maira Borges
leia mais

Artigos > Hipertensão arterial e Odontologia

 Um em cada cinco brasileiros sofre de hipertensão arterial, a popular “pressão alta”, uma doença crônica adquirida, em 95% dos casos, por hereditariedade ou por fatores externos de risco como obesidade, estresse e consumo excessivo de álcool, fumo e sal.

  

São mais de 30 milhões de brasileiros acima de 18 anos, o equivalente a 21,4% da população do país, com níveis de pressão arterial igual ou acima de 14 por 9. No mundo, cerca de 1 bilhão de pessoas são afetadas. E ela tem impactos também nos tratamentos odontológicos.

 

É uma doença “democrática”. Não respeita sexo, cor, faixa etária e nem condição econômica. No Brasil, sua incidência aumenta proporcionalmente à idade.

 

Entre 18 e 29 anos, atinge 2,8% da população, enquanto de 30 a 59 anos, o percentual pula para 20,6%, dobrando para 44,4% na faixa etária entre 60 e 64 anos, aumentando para 52,7% nas pessoas entre 65 e 74 anos. O percentual é ainda maior, entre os idosos com mais de 75 anos – é de 55%.  

  

Resumo: mais da metade da população brasileira acima de 65 anos sofre de hipertensão arterial. A hipertensão arterial ataca os vasos sanguíneos, coração, rins e cérebro. É responsável por 40% dos infartos, 80% dos derrames ou AVC (Acidentes Cardiovasculares) e 25% dos casos de insuficiência renal terminal.

 

Embora sejam situações muito graves, podem ser evitadas, desde que com tratamento adequado e bem conduzido por profissionais de saúde, entre eles o dentista. 

Para que uma cirurgia bucal bem sucedida, caso seja necessária, é fundamental controlar a ansiedade do paciente, praticar boa técnica de anestesia e todo cuidado na escolha dos medicamentos a pós-operatórios

 

Apesar desta realidade, muitas vezes o paciente com problemas bucais desconhece ser hipertenso. Portanto, o profissional precisa estar atento e preparado para atendê-lo e realizar corretamente os procedimentos necessários nestes casos, em especial o exame físico e uma detalhada anamnese, com faixa etária, hereditariedade e hábitos de vida do paciente.

  

Para que uma cirurgia bucal bem sucedida, caso seja necessária, é fundamental controlar a ansiedade do paciente, praticar boa técnica de anestesia e todo cuidado na escolha dos medicamentos a pós-operatórios.

 

É fundamental saber a medicação usual do paciente e solicitar exames que complementem a anamnese. É preciso saber se o paciente está apto à cirurgia. Daí a necessidade do exame de risco cirúrgico.    

  

São procedimentos essenciais para se prevenir contra situações de emergência médica e inserir o dentista no grupo de profissionais de saúde.

 

Os possíveis sintomas da doença são dores no peito e na cabeça, tontura, zumbidos e fraqueza, visão turva e sangramento nasal.

 

A pressão arterial de um paciente nestas condições deve ser medida nos dois braços, porque diferença de pressão podem indicar risco de doença vascular e causar a morte.

 

Consumir café ou álcool e fumar antes de medir a pressão pode alterar o resultado.

 

ERNANI CAPOROSSI é especialista em Dentística Restauradora e Prótese Dental, MBA em Gestão em Saúde, membro fundador da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética (SBOE), da Academia Brasileira de Osseointegração (Abrossi) e da Sociedade Brasileira de Reabilitação Oral (SBRO).

publicado em: 23/01/2018, na Categoria Artigos
    22 de Feb de 2018
    Aguarde carregando...

    Av. França, 45 - Santa Rosa - Esquina com Av. Canadá
    78040-170 - Cuiabá - MT - Brasil
    Tel.: (65) 3626-4341 - Fax: (65) 3626-1640